Campo GrandeNoticias

De lives à “gincana” para colorir arara, Hemosul se reinventou para salvar vidas durante a pandemia

Em 2020 a rede Hemosul teve que se reinventar para suprir a demanda das unidades hospitalares de Mato Grosso do Sul. Um dos impactos da pandemia foi a redução de 40% nas doações de sangue, e para reverter esse quadro, a instituição realizou diversas campanhas para trazer os doadores de volta e continuar salvando vidas.

Liga do Bem

A tecnologia se tornou a principal aliada nesse período e o Hemosul promoveu ações importantes usando as mídias digitais como ferramenta para abordar temas relevantes como o Dia Mundial da Hemofilia (17/4), Semana Estadual de Incentivo à Doação de Sangue (17 a 22 de agosto), e Dia Mundial do Doador de Medula Óssea (19/9).

Historicamente o inverno é considerado um período crítico em que as doações caem significativamente. Para se ter uma ideia, a instituição já chegou a registrar dias com queda de 70% a 80% nas doações nessa época do ano. Na semana de abertura da Campanha Junho Vermelho o Hemosul contou com a participação dos voluntários da Liga do Bem para recepcionar os doadores, convocar novos e reforçar a mensagem de que todo mundo tem o poder de salvar vidas.

Cantor Mariano, da dupla Munhoz e Mariano, foi o primeiro a doar plasma para pesquisa em MS

Um marco do mês de junho foi a participação do Hemosul na pesquisa de plasma de convalescente liderada pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), juntamente com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). O estudo avalia o impacto da transfusão de plasma de pessoas recuperadas da Covid-19 em pacientes com quadro clínico grave da doença.

Já em agosto a campanha Somos Todos do Mesmo Sangue mobilizou toda a sociedade na coleta de 5 mil bolsas de sangue para revitalizar o Monumento das Araras, obra do artista plástico Cleir Avilla, que fica no bairro Amambai em Campo Grande. Numa espécie de gincana, a cada mil bolsas, a ararinha vermelha (simbolizando o sangue) recebia uma demão de tinta até ficar completamente viva. A ação contou com parceria importante do Sicredi e Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Sectur).

Campanha revitalizou monumento e promoveu a coleta de mil bolsas de sangue

Para a celebração do Dia Nacional do Doador de Sangue no mês de novembro, 16 hemocentros do Brasil mais o Distrito Federal se uniram em uma grande campanha que também levou o nome Somos Todos do Mesmo Sangue, iluminou monumentos e contou com personalidades regionais como embaixadores. O monumento oficial da ação foi o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Em Mato Grosso do Sul, os Tuiuiús do Aeroporto, o Monumento das Araras e a Torre da TV Morena foram iluminados, e o cantor Michel Teló foi o embaixador.

Outra iniciativa importante deste ano foi a ampliação do horário de atendimento do Hemosul Coordenador a cada primeiro sábado do mês. Desde outubro, uma vez por mês a unidade abre as portas das 7h às 17h, oportunizando aos doadores que não podem durante a semana se programarem para contribuir.

Ao longo do ano as doações de sangue caíram cerca de 40% no Estado, mas de acordo com a coordenadora geral da Rede Hemosul, Marli Vavas, a empatia e a solidariedade serão as principais lições desse ano de pandemia. “Mesmo diante de todas as dificuldades, a cada campanha, a cada chamado nosso, a população nos atendeu prontamente. É isso que nos motiva diariamente e nos dá esperança de dias melhores no próximo ano”, destaca.

Para conferir endereços de doação em Mato Grosso do Sul e critérios para se tornar um doador acesse o site do Hemosul – https://www.hemosul.ms.gov.br/

Mireli Obando, Subcom

Fotos: Arquivo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo