MSNoticias

Prefeitura entrega nova ponte que encurta trajeto para escoar produção de soja da capital

Desde a ordem de serviço, após homologada a construção da licitação, foram 4 meses de obras na ponte que custou R$ 418.140,90

Desde a semana passada, após 4 meses de construção, já está liberada para o tráfego a ponte de 44 metros sobre o Rio Anhandui, no ramal da CG-342, uma estrada vicinal com 70 km de extensão que começa no núcleo urbano da Distrito de Anhanduí, às margens da BR-163, atravessa a região que concentra a maior produção agrícola da Capital com 12 mil hectares plantados de soja.  A ponte, que substituiu a antiga, destruída em fevereiro numa ação de vândalos, liga Campo Grande ao município de Nova Alvorada do Sul.

Se para quem mora na área urbana, a construção de uma ponte de madeira a 105 quilômetros de distância, num dos pontos mais extremo do território campo-grandense, passa despercebida, para quem mora na região é uma obra estratégica porque facilita os deslocamentos e o escoamento da produção agrícola. A travessia do Rio Anhandui neste ramal da CG-342, encurta em pelo menos 20 quilômetro o caminho até a BR-163-, por onde sai a soja, o milho, o gado para abate e vem os somos de produção, desde sementes, adubos, defensivos agrícolas e todo os insumos necessários a produção pecuária e de grãos. A ponte também é usada por jovens que fazem o ensino médio em escolas da cidade vizinha.

“Esta ponte foi o melhor presente de Natal para os produtores da região”, explica Anderson Machada, gerente da Fazenda Barra Bonita, propriedade com 2 mil hectares de lavoura. “Qualquer redução de trajeto, reduz custo e facilita o escoamento. Por aqui estamos mais perto do asfalto”, explica.

Desde a ordem de serviço, após homologada a construção da licitação, foram 4 meses de obras na ponte que custou R$ 418.140,90. Foi um trabalho minucioso, segundo o encarregado da equipe responsável pela obra, porque os pilares foram fincados a 1,5 metros de profundidade a abaixo do nível da água do rio para alcançar a estrutura rochosa. Nos últimos 4 anos a Prefeitura construiu reformou outras 46 das 86 pontes existentes na malha viária rural.

Na semana passada foi aberta a licitação para a reforma de mais 4 pontes de pequeno porte: uma de 8,50 metros de vão sobre o um afluente do Córrego Ceroula, na região do Assentamento Sucuri; na CG-315, sobre o Córrego Cabeceira Dois Bois, com 5 metros; na CG-040, no Córrego Limpo, com 17,7 metros de vão e a 4ª, na CG-486, ramal 3, com 10 metros de extensão no Rio Anhanduí. O investimento previsto é de R$ 241 mil, com abertura das propostas das empresas participantes, no dia 4 de fevereiro.

No planejamento de 2021 da Prefeitura está prevista a construção de 6 pontes de concreto, com investimento de R$ 5 milhões, recurso alocado junto à Sudeco (Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste). As pontes estão projetadas   para serem construídas em três afluentes do Rio Anhanduí (na estrada vicinal CG-286); no Córrego Liso (CG-342); no Córrego Engano (CG-112) e no Córrego Lageado (CG-010).  Em parceria com o Governo Estado deve ser construída uma ponte de concreto, com 60 metros de extensão, na CG-284, proximidades do quilômetro 192 da BR-267.

Patrolamento

No mesmo dia em que foi liberada ao tráfego esta nova ponte sobre o Rio Anhanduí, equipes da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos trabalhavam na manutenção de pontos críticos da CG-324, uma estrada vicinal de 90 quilômetros que atravessa várias propriedades, onde além da produção agrícola, pecuária, há florestas de eucaliptos. O município tem uma malha rural de 1.200 quilômetros.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo