MSNoticias

Produtores de Bela Vista investem na soja após melhorias na infraestrutura do município

A construção de pontes de concreto em Bela Vista foi um dos fatores que levou o setor produtivo a intensificar a produção de soja

A construção de pontes de concreto em Bela Vista foi um dos fatores que levou o setor produtivo a intensificar a produção de soja. De acordo com o presidente do Sindicato Rural do município, Leandro Acioly, a melhoria na infraestrutura tem levado a cidade, tradicionalmente pecuária, a encontrar na agricultura um novo modelo de investimento.

“O produtor deixa de investir por não ter acesso garantido, mas na hora que isso muda, o setor intensifica, é o caso de Bela Vista que ampliou a área de produção da safra 2020/21 para 59 mil hectares, abrindo espaço para o que antes era dedicado à pecuária de corte”.

Produtor rural associa desenvolvimento do agro a melhorias na infraestrutura

Para o secretário de Governo, Eduardo Riedel, o que acontece em Bela Vista é o reflexo de que os investimentos em infraestrutura resultam em desenvolvimento e, consequentemente, em emprego e renda. “Quando um município investe após resultados em infraestrutura conseguimos ver que estamos no caminho certo da tomada de decisões dos recursos públicos e nesta soma todos saem ganhando o campo que produz mais e melhor e tem mais rentabilidade e a cidade com a geração de emprego e de renda”, ressaltou.

Entre essas melhorias, destaca-se a obra do Governo do Estado que restabeleceu o tráfego na rodovia MS-472, que integra o tronco rodoviário Apaporé, em Bela Vista, na fronteira com o Paraguai, com a entrega da obra de construção da ponte de concreto sobre o Córrego Vacadiga.

A ponte de concreto, com 60 metros de cumprimento e sustentada sobre dois jogos de pilares, foi implantada com recursos do Fundersul (Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário de MS), ao custo de R$ 1,5 milhão. Para o prefeito do município, Reinaldo Miranda Benites, é uma obra de importância estratégica considerando que além de garantir o escoamento de grãos e calcário, pertence a uma interligação da Rota Bioceânica.

Riedel destaca que investimentos em infraestrutura proporcionam retorno para o campo e para a cidade

“As pontes de madeira precisam ser substituídas porque não aguentam o peso e nem o fluxo necessário. É uma demanda agrícola de uma produção que saltou rapidamente. Apenas na atual gestão do Reinaldo Azambuja foram construídas sete pontes”.

Do mesmo modo que o prefeito, Acioly reforça a importância dessa construção para otimizar o escoamento dos grãos, de forma segura e com menor custo. “Antes sem a ponte nós tínhamos que fazer um contorno de 37 quilômetros. Não tem o que falar o tanto que ajudou”.

O Governo do Estado iniciou os trabalhos na construção da ponte do Rio Piripucu, na MS – 472, uma importante via de acesso do município.

De acordo com os dados da Aprosoja/MS, na safra 2019/20 a área destinada ao cultivo de oleaginosa atingiu 39 mil hectares, quase 10 mil hectares a mais que na temporada anterior, com isso colheram 115 mil toneladas. Esse é o maior resultado desde 2015/16 e a previsão é de uma colheita expressivamente maior na safra 2020/21 que está sendo colhida agora.

Desde 2015 já foram investidos R$ 4,6 bilhões em infraestrutura, sendo R$ 1,3 bilhão apenas na manutenção de rodovias não pavimentadas e de pontes de madeira.

Neste período foram encascalhados 6 mil quilômetros de rodovias e 777 km de estradas implantadas e pavimentadas no Estado, além de 96 pontes de concreto construídas, 18 em execução e 12 em processo de licitação.  A expectativa é que sejam entregues 163 (pontes) até o final de 2022.

Ana Brito, Seinfra

Fotos: Saul Schramm e Ascom Famasul

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo