ArtigoNoticias

Ressonância ao cérebro revela como psicopatas reagem às emoções alheias

A psicopatia é um transtorno raro de personalidade que se caracteriza pela carência de empatia, sentimentos de grandiosidade e de superioridade, por um tipo de comportamento extremamente impulsivo, irresponsável e antissocial, apontam especialistas

Um estudo recente realizado por investigadores da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, analisou de que forma ocorre a falta de empatia em pessoas diagnosticadas como psicopatas, reporta um artigo publicado na prestigiada revista Galileu.

A pesquisa apurou que esses indivíduos são detentores de uma diminuição notória na atividade cerebral quando se tentam colocar no lugar de alguém que esteja sentindo medo.

De acordo com os investigadores, a psicopatia caracteriza-se por ser um distúrbio extremo de personalidade que se destaca pela falta de empatia, sentimentos de grandiosidade, considerações irrealistas de superioridade, por um estilo de vida impulsivo e irresponsável e pelo comportamento antissocial.

Estima-se que aproximadamente um quarto dos adultos em prisões nos Estados Unidos sofram da condição psiquiátrica. No estudo, refere a revista Galileu, 94 presos foram submetidos a um teste de avaliação de psicopatia e realizaram ainda um teste de inteligência.

Participaram também numa experiência psicológica, na qual lhes foi solicitado para se colocarem no lugar de outras pessoas. Simultaneamente, os cientistas monitoraram a atividade cerebral dos indivíduos examinando imagens de ressonância magnética.

No decorrer da experiência, os presos tinham que ver fotografias que revelavam duas pessoas interagindo, sendo que a face de uma delas não era visível.

Por vezes, os voluntários viam duas opções de formas e era-lhes pedido que dissessem qual delas se adaptava melhor à imagem, menciona a Galileu. Noutras situações, eram apresentadas duas expressões faciais e os presos tinham que escolher qual era mais adequada para o caso. Os cenários incluíam situações diversas, desde alguém sendo repreendido a uma pessoa que consolava um amigo, entre outras.

Os investigadores rapidamente perceberam que os presos que tinham registado índices superiores de psicopatia tendiam a alcançar piores resultados na avaliação com as imagens, sugerindo a dificuldade que essas pessoas apresentam em sentir empatia, ou seja, em se colocarem no lugar de outras pessoas e reconhecer emoções como medo, felicidade ou tristeza.

Já nas imagens de ressonância magnética eram notórios défices de atividade cerebral sobretudo associados ao medo.

Adicionalmente, segundo os investigadores, as zonas do cérebro que estão relacionadas à empatia e à emoção registravam uma menor atividade quando os presos tinham que imaginar a perspetiva de alguém que se encontra assustado.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo