Tecnologia

Chefe do WhatsApp critica Apple e tenta explicar confusão com Facebook


source

Tecnoblog

Chefe do WhatsApp comenta polêmicas
Unsplash/Allie

Chefe do WhatsApp comenta polêmicas



O WhatsApp teve de lidar nos últimos meses com questões relacionadas à privacidade dos usuários. Entre elas, estão a decisão da Apple de destacar dados que o mensageiro coleta e a mudança nos termos de uso que levou muitos usuários para serviços concorrentes . Os casos foram finalmente comentados publicamente por quem comanda o aplicativo.

Em entrevista ao podcast Big Technology , o head do WhatsApp, Will Cathcart , criticou os rótulos na App Store que mostram quais dados o mensageiro coleta. Para o executivo, a Apple quer tirar o crédito de certos aplicativos para evitar que usuários mudem facilmente para o Android . Ele indicou ainda que não há um tratamento igual entre serviços de terceiros e o iMessage .

“Independentemente do propósito dos rótulos, competimos com o iMessage da Apple, competimos nos EUA – onde muito mais pessoas usam o iMessage do que o WhatsApp –, competimos em vários lugares do mundo. Você não vê um rótulo para o iMessage ao baixá-lo porque você não o baixou, ele já está no seu telefone”, afirmou Cathcart.

Você viu?

Ele se refere ao fato da Apple exibir em seu site – e não na App Store – quais dados seus apps coletam. Em dezembro, o WhatsApp já havia criticado a medida por entender que ela dá uma vantagem indevida ao iMessage. Cathcart também questionou o fato da loja dizer que o WhatsApp coleta dados de pagamentos por conta de um recurso opcional disponível apenas na Índia.

“A Apple tem recursos de pagamento e você pode enviar dinheiro a um amigo por meio do iMessage. Nosso rótulo diz que temos informações de pagamento, o do iMessage, não. Qual é a diferença? Por que o nosso diz e o deles não?”, indagou.

Mudança nos termos do WhatsApp

O executivo também tratou da mudança nos termos de uso anunciada em janeiro. A medida tinha relação com o WhatsApp Business , mas fez muitos usuários acreditarem que o app compartilharia o conteúdo das conversas com o Facebook . A repercussão negativa fez serviços como Telegram e Signal crescerem de forma expressiva .

“Para mim, foi um lembrete doloroso de como é importante comunicarmos muito, muito claramente sobre isso aos mais de 2 bilhões de pessoas que usam o WhatsApp”, disse Cathcart. Segundo ele, muitas das preocupações dos usuários são infundadas porque o aplicativo tem um uso limitado de informações.

Na entrevista, o executivo explicou que os termos foram atualizados para ajudar empresas a atenderem clientes pelo mensageiro. Ele deu um exemplo de anúncios no Facebook ou no Instagram que, em vez de encaminharem os usuários para seus sites, oferecem um botão como “Envie-me uma mensagem no WhatsApp”.

“Não temos anúncios no WhatsApp, não vemos suas mensagens, não sabemos quais são suas mensagens”, afirmou. “Você só verá esse anúncio se tiver o WhatsApp no seu celular e se estiver clicando nesses anúncios no Facebook. Obviamente, isso muda os anúncios que você vê no Facebook”. Por conta do mal entendido, o aplicativo decidiu adiar a nova política de privacidade: ela entraria em vigor em fevereiro e ficou para maio .

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo