Tecnologia

O curioso caso do Freedom Phone, celular para conservadores contra “censura”

source

Tecnoblog

Freedom Phone
Reprodução

Freedom Phone

O que é o Freedom Phone ? Para alguns, é a promessa de ter uma vida online sem censura, longe das estruturas de poder erguidas pelo Google , Apple , Facebook e outras empresas. Para outros, é só um celular Android chinês de US$ 120 sendo revendido por US$ 500 para se aproveitar de conservadores que não entendem muito de tecnologia. Vamos tentar entender isso melhor.

O que é o Freedom Phone?

O Freedom Phone se encaixa em um contexto no qual conservadores famosos alegam que redes sociais como Facebook e Twitter reduzem o alcance de suas postagens. Essas empresas não teriam medo de apagar posts de um presidente – caso de Jair Bolsonaronem mesmo de banir totalmente o perfil, como foi com Donald Trump . Por isso, algumas pessoas tentam buscar maior “liberdade de expressão” recorrendo a serviços alternativos como Parler e Gettr .

Na última quarta-feira (14), o Freedom Phone começou a chamar bastante atenção – é quando Erik Finman passou a divulgar o aparelho no Twitter. Ele alega ter se tornado um milionário por ter comprado US$ 1 mil em bitcoin em 2012; a criptomoeda se valorizou fortemente desde então.

“Os chefões da big tech estão violando sua privacidade, censurando sua voz, e acho que isso é muito errado”, diz Erik no vídeo de divulgação. A resposta a tudo isso, claro, é o Freedom Phone, que teria estes diferenciais:

  • o FreedomOS , sistema operacional que seria “o primeiro baseado em liberdade de expressão”;
  • o Trust , que promete proteger a privacidade do usuário;
  • a PatriApp Store , loja de apps “sem censura”;
  • apps pré-instalados como a rede social Parler, os canais de TV conservadores OAN e Newsmax, além do navegador Brave, Signal e Telegram.

Freedom Phone roda LineageOS?

O site oficial dá a entender que o FreedomOS é um sistema operacional novo, mas o Tecnoblog encontrou vários sinais indicando que esta é uma leve modificação do LineageOS – sistema livre e de código aberto baseado no Android.

Um desses sinais é o ícone da câmera, que aparece nas imagens de divulgação do Freedom Phone – ele é idêntico ao que o LineageOS usa. Esse símbolo é diferente da Google Camera, assim como dos apps de câmera presentes em distribuições do Android focadas em privacidade (como o GrapheneOS ou CalyxOS).

O mesmo vale para outros ícones: Mensagens, Calculadora, Agenda, E-mail, Contatos, Arquivos, Música – todos são os mesmos símbolos utilizados pelo LineageOS.

Há até mesmo um aplicativo, o AudioFX, que é feito especificamente para essa versão do Android. Ele não aparece nas imagens de divulgação do Freedom Phone, mas consta em um vídeo de Anna Khait, comentarista conservadora que divulgou o celular numa live do YouTube.

Outro sinal é o Trust, listado como um dos diferenciais no Freedom Phone. Um recurso de segurança com o mesmo nome foi lançado no LineageOS em 2018, com o objetivo de melhorar a privacidade e segurança dos usuários. Ele avisa se o sistema está atualizado, facilita ativar a criptografia, e permite desativar acesso a novos dispositivos USB quando o celular está bloqueado (para impedir invasões).

Vale notar que existem algumas diferenças bem pequenas entre o “FreedomOS” e o LineageOS: por exemplo, a tela de boot mostra o logotipo do próprio Freedom Phone. Fora isso, ambos os sistemas parecem idênticos – inclusive, eles não vêm com aplicativos do Google por padrão, nem mesmo a Play Store. (É possível adicionar a loja durante a instalação do LineageOS.)

Freedom Phone parece celular chinês barato

OK, então o Freedom Phone talvez esteja rodando o LineageOS – mas o sistema é bem bacana, e leva versões atuais do Android para diversos celulares antigos. Esse aparelho para conservadores talvez valha o preço?

Aí está outro problema: o site oficial do Freedom Phone conta com dez botões “Compre agora”, mas não revela a ficha técnica do aparelho. Por que alguém deveria pagar US$ 500 por um celular misterioso?

Algumas especificações foram divulgadas em um post patrocinado no site Gateway Pundit , mas elas também carecem de informações mais detalhadas:

  • tela HD de 6,3 polegadas
  • processador octa-core
  • 64 GB de memória com armazenamento expansível
  • câmera traseira de 32 MP
  • câmeras frontais e traseiras “impressionantes”
  • bateria de 4.150 mAh
  • porta USB-C
  • dual-chip (entrada para dois SIM cards)

O problema é que… essa ficha técnica deve estar errada. No vídeo de Anna Khait, é possível ver a inscrição “48MP AI Camera” na parte de trás do aparelho, então a câmera não teria 32 MP como diz a lista acima.

Usuários no Twitter repararam que o Freedom Phone tem um design terrivelmente semelhante ao de celulares da chinesa Umidigi. Ela tem dois modelos com a inscrição “48MP AI Camera” na traseira: o Umidigi A9 Pro e A9 Pro 2021.

Eles são basicamente o mesmo smartphone no que se trata de design, dimensões, peso, tela (Full-HD+ de 6,3 polegadas), processador (MediaTek Helio P60) e bateria (4.150 mAh).

A diferença é que o modelo mais recente roda Android 11 e vem só na versão 8 GB + 128 GB; enquanto o A9 Pro do ano passado roda Android 10 e começa em 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento.

Tanto o Umidigi A9 Pro como o A9 Pro 2021 podem ser encontrados por cerca de US$ 120 no Alibaba; os preços dependem do vendedor, e são mais baixos para quem compra por atacado para revender.

Como loja do Freedom Phone vai evitar malware?

Tá, algumas pessoas vão pagar US$ 500 por um celular que poderia ser adquirido direto da China por muito menos. Mas o Freedom Phone tem a PatriApp Store, que promete não banir nenhum app. No início do ano, a rede social Parler foi removida pela Apple e pelo Google de suas lojas para iPhone e Android após a invasão ao Capitólio dos EUA.

A questão é que, como estamos falando de Android, (quase) sempre há uma forma de baixar apps fora da Play Store. É o caso do próprio Parler, que segue banido pelo Google mas pode ser obtido via APK pelo site da rede social.

E, se a loja do Freedom Phone não proíbe nenhum app, como ela vai proteger os usuários contra software malicioso? “As lojas do Google e da Apple implementam um processo rigoroso de inspeção de código antes de disponibilizar os aplicativos”, explica Matthew Hickey, especialista em cibersegurança, ao Daily Dot . “E embora não seja à prova de falhas, isso ajuda a evitar que uma ampla gama de malware infecte os dispositivos.”

Um dos argumentos de venda para o Freedom Phone é evitar a “tirania” de gigantes como o Facebook. No entanto, como mostra um vídeo da comentarista Candace Owens, o Facebook e o Instagram estão disponíveis para download na PatriApp Store.

Freedom Phone rende comissão para quem divulga

Então, para resumir, o Freedom Phone provavelmente:

  • é um celular chinês sendo revendido com uma enorme margem de lucro;
  • roda LineageOS baseado no Android , não um sistema “baseado em liberdade de expressão”;
  • tem uma loja de apps que pode representar um risco à segurança dos usuários.

Com tudo isso, para que comprar o Freedom Phone? Ele serve para qual objetivo? Bem, o aparelho pode não beneficiar exatamente quem compra, e sim quem vende. Vários comentaristas conservadores ganham dinheiro através de produtos próprios, como camisetas, canecas, suplementos alimentícios – e, possivelmente, uma comissão na venda desse celular.

Sim, o Freedom Phone tem um programa de afiliados. Funciona assim: eles divulgam o aparelho para seus seguidores junto a um código de desconto, e recebem uma comissão que pode chegar a US$ 50 em cada venda realizada.

Veículos conservadores da mídia nos EUA, como Gateway Pundit e Just The News , estão divulgando o Freedom Phone e oferecendo um cupom de desconto; comentaristas como Jack Posobiec, Candace Owens e Anna Khait fizeram o mesmo. Um deles, Saul Anuzis, até posou em uma foto junto a Erik Finman, que teria começado todo o projeto.

Em 2019, Finman lançou uma startup chamada CoinBits, que permite investir valores baixos em bitcoin. Mais recentemente, ele estava investindo na Metal Pay, que prometia criar uma alternativa à criptomoeda Libra (hoje Diem) do Facebook. O rapaz de 22 anos disse ao Business Insider em junho que não está mais envolvido com essa empresa.

O que aconteceu para Finman – que diz ser milionário de bitcoin – apoiar um produto tão suspeito como o Freedom Phone? Por que ele está bloqueando usuários e escondendo dezenas de respostas no Twitter que apontam os problemas desse projeto? O Tecnoblog entrou em contato, mas não obteve resposta.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo