Lifestyle

TEMPO LIVRE NO ISOLAMENTO SOCIAL: UMA VIRTUDE NOS TEMPOS DE PANDEMIA

Uma reflexão sobre a ruptura na rotina do cotidiano

De acordo com o filosofo Aristóteles e sua teoria “mediana Aristotélica”, retratam que os impulsos podem levar as pessoas ao extremo, os afastando da virtude que seria o equilíbrio de suas atitudes. Com base nisso, percebe-se que uma parcela da população se rende ao extremo e abdica do tempo livre pela sua compulsão ao trabalho, nomeados de “workaholics”, em português, “viciados em trabalho”, algo que proporciona diversos malefícios aos seres humanos. Portanto, entende-se que o trabalho e tempo livre devem ser conciliados para o bem estar social, algo que pode ser aprendido ou pelo menos percebido durante esse período de pandemia.
Os workaholics além de presentes no nosso dia a dia, são representados em filmes como “O diabo veste Prada” e “O senhor estagiário” em que o roteiro mostra a vida pessoal paralela ao trabalho, e o quanto a falta de tempo prejudica relacionamentos familiares e amorosos. As relações sociais são extremamente importantes para o bem-estar psíquico, além disso, a convivência faz parte de nossa vida, de acordo com pesquisas do IBE (Índice de Bem-Estar), realizada pela Unimed de Porto Alegre. Através disso é perceptível que as horas vagas na semana são essenciais para realizar atividades de necessidade humana.
O excesso de trabalho e suas consequências incluem não só relacionamentos como também sua saúde física e mental. Os problemas acarretados em deixar de lado o descanso, são: ansiedade, depressão e problemas gastrointestinais podendo ocasionar inclusive úlcera em casos mais graves por conta do estresse e a falta de uma válvula de escape. Estas consequências são sérias e já fazem parte de 42% dos profissionais brasileiros.
Em vista disso, é fundamental a necessidade de consolidar o tempo livre e o trabalho, por conta da saúde e do convívio social. A partir do texto, é reconhecível que a teoria de Aristóteles deveria fazer parte da diária dos trabalhadores e assim, melhorar a qualidade de vida e bem-estar dos cidadãos.

Autora: Ana Carolina Kuffner

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo