ArtigoNoticias

Um Dia Bom

A passagem ,ontem, por nossa cidade da Comissão Especial do Senado Federal ,trouxe luz ao debate sobre essa enorme catástrofe

Não que tenha passado a tormenta, pois o fogo continua queimando nossas riquezas e a estiagem ainda nos aponta dias difíceis .Contudo ,em meio a tantos sofrimentos e perdas ,uma brisa fresca de esperança, nesta manhã corumbaense de quatro de outubro,  dia de São Francisco de Assis e do Homem Pantaneiro ,sopra em todas as  mentes e corações da nossa gente. A passagem ,ontem, por nossa cidade da Comissão Especial do Senado Federal ,trouxe luz ao debate sobre essa enorme catástrofe. Longe das pré-suposições absurdas aventadas pela mídia inconsequente e pelas mentes perturbadas de alguns, os assuntos tratados ,todos sem exceção, estiveram em torno das medidas mitigadoras e das políticas preventivas a serem implementadas agora e permanentemente, nos dois Mata Grosso para que situações como esta  nunca mais se repitam.

Não que se pretenda domar a Natureza, mas no sentido de estarmos preparados para antecipar a esses eventos e prontos para combate-los caso ocorram.

Um claro e consciente alinhamento, entre produtores, senadores, governos  estadual e municipal ,entidades de classe, ministério do meio ambiente e órgãos das três esferas administrativas, pacifica claramente os posicionamentos de todos os participantes no sentido de abolir os radicalismos e as acusações açodadas contra os pecuaristas pantaneiros .

As atitudes positivas, de combate ao fogo e socorro ao Pantanal e ao pantaneiro, denotam maturidade e respeito aos cidadãos que souberam fazer destas planícies uma das maravilhas do mundo.

Haverá muito trabalho e doação nessa empreitada que será responsabilidade de todos.

O Pantanal e o pantaneiro merecem um instante de reflexão por parte dos cidadãos brasileiros .Estamos aqui há quase trezentos anos produzindo alimentos e conservando o bioma.

Não façamos desta tempestade perfeita um parâmetro para julgamentos injustos .Antes, venham nos conhecer e se encantar com a nossa história e com a realidade da nossa sobrevivência. Comprovarão ,com certeza,que o Pantanal não existiria sem o amor do Homem Pantaneiro.

Manoel Martins de Almeida


Produtor rural no Pantanal

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo